Sobre o ParticipatHIVos

 

Quando se fala de HIV no Brasil, as estatísticas informam que, atualmente, há cerca de 830 mil pessoas vivendo com o vírus. Desse total, cerca de 542 mil estão em tratamento.1,2

 

Esse cenário mostra que há um longo trabalho pela frente, não só para levar a essas pessoas o conhecimento sobre seu estado sorológico, mas também para acolher e garantir a adesão ao tratamento, controlando assim a epidemia de HIV/AIDS no Brasil.

 

O diagnóstico positivo é o ponto de partida para uma série de acontecimentos para a pessoa diagnosticada – e para todos os que convivem com ela. Aceitar tal condição é um processo que pode ser longo e se dá por etapas. Nesse cenário destacamos a importância da participação de uma equipe multidisciplinar de profissionais de saúde atuante na assistência às pessoas vivendo com HIV.3

 

Composta por diferentes profissionais como médicos, enfermeiros, psicólogos, farmacêuticos, assistentes sociais, técnicos, auxiliares, dentre outros, ela é capaz de ampliar e melhorar o cuidado do paciente. Esses profissionais têm papéis fundamentais na melhora da qualidade de vida das pessoas vivendo com HIV, levando a uma melhor adesão ao tratamento, não progressão da infecção pelo HIV e melhor prognóstico.3,4

 

 

 

É importante somar esforços para facilitar a jornada do paciente – começando pela prevenção, passando pelo diagnóstico e pela vinculação até a retenção do indivíduo ao serviço de saúde - através de atividades que vão do acolhimento ao aconselhamento sobre a doença, passando pelo incentivo à adesão ao tratamento, criando uma relação entre paciente e profissionais de saúde por meio de atos como receber e escutar, ouvir queixas e se abrir para suas preocupações.

 

Pensando nisso, o ParticipatHIVos foi desenvolvido para você, profissional de saúde envolvido na rede de cuidado de pessoas vivendo com HIV, com o objetivo de reunir informações e materiais educativos para auxiliá-lo na sua prática diária.

  • Referências bibliográficas:

  • 1. UNAIDS. BRASIL. Estatísticas. Disponível em < http://unaids.org.br/estatisticas/ >. Acesso em 18 out. 2017.
  • 2. RICK, F. Avanços nos PCDT. In: AZT AIDS. Disponível em < http://azt.aids.gov.br/documentos/reunioes/reuniao_curitiba/PCDT%20HIV%20-%20atualiza%C3%A7%C3%B5es%20(25.9.17).pdf > Acesso em 18 out. 2017.
  • 3. CANCIAN, N. et al. Importância da Atenção Multidisciplinar para resgatar o paciente com HIV/AIDS apresentando baixa adesão à terapia antirretroviral. Santa Maria: UFSM, 2015. 6 p. Disponível em: < http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_ciencias_saude/article/view/2910/1792 >. Acesso em: 09 out. 2017.
  • 4. ROCHA, G. Os desafios de conviver com o HIV, 2015. In: BLOG DA SAÚDE. Disponível em: < http://www.blog.saude.gov.br/index.php/promocao-da-saude/50048-os-desafi os-de-conviver-com-o- hiv >. Acesso em: 09 out. 2017.

BR/HIVP/0031/17 OUTUBRO 2017